domingo, novembro 05, 2006

941 - O medo da morte é para muitas pessoas uma causa de perplexidade; de onde vem esse temor, visto que elas têm diante de si o futuro?

- É errado que tenham esse temor. Todavia, que queres tu! Procuram persuadi-las em sua juventude de que há um inferno e um paraíso, mas que é mais certo que elas irão para o inferno porque lhe dizem que, o que esta na Natureza, é um pecado mortal para a alma. Então, quando se tornam grandes, se têm um pouco de julgamento, não podem admitir isso, e se tornam atéias ou materialistas. Eh assim que as conduzem a crer que, fora da vida presente, não há mais nada. Quanto as que persistiram em suas crenças da infância, elas temem esse fogo eterno que as deve queimar, se as destruir.

(...)

Guerras de palavras! Guerras de palavras! Não fizestes verter bastante sangue! É preciso, pois, ainda reacender as fogueiras? Discutem-se sobre os temas eternidade da penas, eternidade dos castigos. Não sabeis, pois, que o que entendeis hoje por eternidade, os antigos não o entendiam como vos? Que o teólogo consulte as fontes, e como todos vos, descobrira nelas que o texto hebreu não deu a palavra que os Gregos, os latinos e os modernos traduziram por penas sem fim, irremissíveis, a mesma significação. Eternidade dos castigos corresponde a eternidade do mal. Sim, tanto que o mal exista entre os homens, os castigos subsistirão; é no sentido relativo que importa interpretar os textos sagrados. A eternidade das penas, portanto, não é senão relativa e não absoluta. Dia vira em que todos os homens se revestirão, pelo arrependimento, com a túnica da inocência e nesse dia não mais haverá gemidos e ranger de dentes. Vossa razão humana é limitada, eh verdade, mas tal qual é, é um presente de Deus, e com essa ajuda da razão, não há um só homen de boa fé que compreenda de outro modo a eternidade dos castigos. A eternidade dos castigos! Como! Seria preciso, pois, admitir que o mal fosse eterno. Só Deus é eterno e não poderia criar o mal eterno; sem isso seria preciso arrancar-lhe o mais sublime dos seus atributos: o soberano poder, porque não é soberanamente poderoso quem pode criar um elemento destruidor de suas obras. Humanidade! Humanidade! Não mergulhes, pois, mais teus melancólicos olhares nas profundezas da Terra para ai procurar os castigos; chora, espera, expia e refugia-te no pensamento de um Deus intimamente bom, absolutamente poderoso, essencialmente justo.

PLATÃO

Textos extraídos do Livro Dos Espíritos – Allan Kardec

Seja bem vinda Vênus de Willendorf! Linda desenhista de Rio Mafra!

8 comentários:

carlos disse...

Escrituras sagradas hein? Ah, não tem como saber se é o padre ou o pobre que tá certo, afinal nenhum deles que escreveu. Cada um que entenda como quiser. E se não existem castigos eternos, então esqueça do paraíso pra sempre ;/

Vênus de Willendorf disse...

Pra mim , aqui se faz , aqui se paga.Tudo que fazemos , seja negativo ou positivo , volta de alguma forma.
Obrigado pelas boas vindas amiga
mas não sou lá grande desenhista não...
;*

Marco Aurélio disse...

Não vou comentar nada sobre isso, afinal, tenho que conhecer primeiro. ;) (vivendo e aprendendo né? :P)
;**

vane disse...

desculpe pela falta de tempo, mal pude ler seu texto.. mas sabe não quis falar dos adolescentes nesse texto, nem sei porq postei exatamente, mas sabe quando vc sente uma angustia que tu nao sabe como desabafar? bem escrevi, mas nao pensando nos problemas, nao sou nenhuma sociologa ou psicologa que pretende entender e mudar os jovens, pois ainda estamos em fase de descobertas sobre as mesmas, e é realmente mais gratificante a matéria sendo utilizada no cotidiano do que apenas lendo, acredito que assim apredemos mais nao acha?

enfim, obrigada pelo elogio, e tens razão com seu comentario

tipo assim disse...

odeio repetir as palavras..
mas crtl + c, é algo bem eficiente..

apenas respondendo a citação sobre: "a existencia de deus nao deve ser segundo plano" ou melhor (concordo com o sugeito)

penso que isso é uma base, uma base ao pensamento seria discuçoes como a existencia, e aquelas perguntas: " daonde eu vim? para aonde eu vou? quem sou eu?" ; no texto eu quis retratar, que no momento nao ando me prendendo a essas perguntas, e sim a vivencia propiamente falando... em outrora ja tive a oportunidade de refletir sobre tal assunto.

compreende?
desculpe se nao me fiz entender, nao tenho um bom manejo com as palavras.

tipo assim disse...

que infame..
acabei de postar algo
citando o fim do meu blog
e tu me vem com um insentivo
para continuar... uhasuhsa

só agora que vi..
bem quem sabe, quando tiver algo em mente..

adios

Sujeito da camisa listrada disse...

Eu fico perplexo pela vida, esqueço de ficar pela morte.

João disse...

João disse...

Acho que não existe uma pessoa que possa dizer que não tem medo da morte, mas tem outras coisas que me causam mais medo do que a morte.

Ah esse texto q vc colocou é mto curioso, pois ele cita escrituras hebraicas e tal, mas acho que Platão viveu séculos antes do cristianismo e nem teve contato com a cultura hebraica.